Pesquisar

A criança e a televisão

É comum os pais ou cuidadores deixarem para a TV o papel de babá, mas isso com certeza não é o papel da televisão, mesmo em programas infantis.

publicidade

Muitos profissionais que lidam com criança muito nova concordam que não se deve propiciar-lhe o acesso à televisão antes dos dois anos.

Um dos motivos principais é que nessa idade ela está em pleno desenvolvimento da fala e da coordenação motora e, ficar parada, assistindo televisão, não favorece estes processos. Outro motivo também relevante é que por falta de amadurecimento, vivência e vocabulário, não consegue assimilar o conteúdo do programa, o que só se dará mais tarde, por volta dos três anos em diante. Nesta idade, praticamente adquire a compreensão das palavras cinco vezes mais do que consegue pronunciá-las.

E mesmo a partir desta idade, a televisão deveria ser controlada, inclusive com limite de tempo por dia: uma a duas horas, no máximo. Há muito a se fazer para ampliar suas habilidades motoras.

Bebê assistindo televisão e segurando bicho de pelúcia - Vasaleks / Shutterstock

Leituras de livros infantis incentiva a criatividade e curiosidade, aumenta consideravelmente o vocabulário infantil e as brincadeiras com ou sem brinquedos com adultos e outras crianças, são alternativas mais saudáveis. Este típo de interação com os pais se leva com muito carinho para a vida toda. São momentos muito íntimos e que fortalecem o amor e o respeito entre eles.

Muitas famílias ainda usam a televisão como se fosse uma babá eletrônica, como um meio de descanso delas ou para poderem se ocupar de seus afazeres, sem interrupção e a criança fica horas assistindo, sem ninguém para orientá-la. Outras, ainda, valem-se do aparelho para alimentar seu filho, para que ele não perceba que está comendo algo que rejeitou anteriormente ou sequer saber o que está ingerindo.

Há crianças que foram acostumadas com a televisão e não conseguem ficar sem uma disponível e ligada. Tornam-se inquietas e visivelmente irritadas. Ao se ligar o aparelho, ficam tão obcecadas pela imagem, pelo colorido, que mesmo não entendendo direito o que se passa, nem se mexem ou piscam. Se alguém falar com elas, simplesmente não desviam a atenção do que estão vendo. São crianças cuja fala é mais atrasada para sua idade, embora recuperem-na mais tarde, alcançando as demais.

É preciso que os pais e ou responsáveis tenham equilíbrio e responsabilidade ao limitar o tempo de exposição à televisão. Devem entender que ela não é a grande vilã na formação dos pequenos. É uma coadjuvante que influencia o desenvolvimento intelectual, social e da personalidade da criança e é por este motivo que o programa escolhido por ela deve ser do conhecimento e consentimento dos pais, por ser adequado e próprio para a idade dela e não apenas porque é seu desejo ou porque os amiguinhos assistem.

Para isto, é profundamente aconselhável que a criança nunca assista televisão sem o acompanhamento dos pais ou de um adulto responsável, para que possam interagir com ela, fazendo-lhe perguntas sobre o entendimento do programa e poderem esclarecer o que não foi compreendido. Através desta abordagem, podem ser reforçados os valores familiares, morais e sociais, o respeito à diversidade, aos animais, à natureza, enfim.

É incrível perceber com que rapidez se desenvolveram os recursos internos da criança ao atingir os três anos de idade. O aumento do vocabulário e a evolução do processo de compreensão das palavras, fazem com que se sinta mais segura e desenvolta por se fazer entender por todos.

publicidade