Desenvolvimento do Bebê

A criança de zero a três anos de idade

Compreender cada etapa do desenvolvimento da criança e não tentar acelerar é muito importante para a criança e prazeroso para quem acompanha de perto essa evolução natural

O desenvolvimento da criança se inicia a partir da concepção e evolui abrangendo aspectos neurológicos, cognitivos, afetivos, motores e perceptivos. 

Podemos fazer uma analogia do cérebro da criança como uma clareira, enorme, disponível e receptiva. É como se fosse uma esponja pronta para absorver experiências, perceber e fazer sinapses. Toda experiência vivida por esses pequenos será parte integrante e importante da formação da personalidade do adulto que virá a ser. Por isso, conhecendo um pouco de como se desenvolvem poderemos auxiliar estimulando adequadamente sem exigir algo que não é apropriado para a etapa de desenvolvimento e também sem desprezar o aparato neuropsicomotor e cognitivo que têm, pronto para aprender e crescer de forma saudável.

Bebê mexendo no computador - Foto: Ezz Mika Elya/Shutterstock.com

SER PENSANTE

A criança, de acordo com a teoria piagetiana, até os dois anos de idade experimenta o período sensório motor em que a aquisição do conhecimento acontece por meio dos sentidos. A criança nessa fase necessita tocar e levar tudo à boca, maneira que conhece e experimenta o mundo. Essas ações acontecem de uma forma reflexiva, não há intenção nos atos. 

Após essa etapa, a criança passa ao estágio pré-operatório que perdura  aproximadamente até os sete anos de idade. No início dessa fase, a criança ainda acha - na verdade tem certeza - de que é o centro do universo. Egocêntrica, crê que tudo o que acontece é em função dela, as ações são irreversíveis e o raciocínio lógico ainda está em desenvolvimento. Ela não compreende as transformações e a reversibilidade, mesmo que ocorram na sua frente. Ao pegarmos, por exemplo, uma bola de massinha de modelar e esticá-la em uma cobrinha, a criança acreditará que na cobrinha há mais massinha. Ao colocarmos um fantoche do lobo nas mãos, a criança dará vida a ele ignorando que o viu sendo vestido pela mamãe ou professora. O jogo do faz de conta é importante para que os pequenos simbolizem o que sentem e elaborem seus conflitos, recriando experiências do seu dia a dia, representando o imaginário no mundo real, utilizando suas habilidades cognitivas e motoras.

SER EM MOVIMENTO

Até por volta dos três meses, o bebê ainda não consegue segurar objetos intencionalmente, somente por reflexos. Nesta fase é importante estimular os sentidos cantando, abraçando e acariciando o bebê. Os pais podem exagerar nas fisionomias bem próximas ao rosto da criança, demonstrando alegria e satisfação. Será um prazer único receber um sorriso de volta!

Em seguida, o bebê passa do estado de quase inércia para as primeiras reações intencionais.  Ele diverte-se quando é levado ao alto e gosta de fixar o olhar em objetos atraentes e coloridos e permanece maior tempo fixando o olhar nesses objetos. 

Dos oito meses até o primeiro aniversário, aproximadamente, o bebê aprecia interagir com jogos simples e buscar por algum objeto de desejo. Gosta de bichinhos de pelúcia e bonecos, com muita cor.

De um ano a um ano e meio adora brincar de espalhar e guardar tudo, claro que a seu modo. Por volta de um ano a criança normalmente já tem seu aparato motor pronto para andar, mas se ela andar aos dez meses ou um ano e meio, ainda não é o caso de se preocupar, pois há diferenças individuais. É importante que ela passe por todas as fases de se arrastar, segurar, trepar, engatinhar e andar.

Um impulso que muitos pais têm nesse momento é oferecer o andador para a criança. Cuidado !!!!!! O andador só serve para dar sossego aos pais e é um dos maiores causadores de acidentes infantis graves e muitas vezes irreversíveis. Há países em que sua comercialização é proibida. O andador força a passagem das fases do arrastar para o andar, pulando etapas importantes na maturação motora. Estudos comprovam que essa antecipação pode comprometer também o desenvolvimento de outras áreas como a fala, por exemplo. Todas as etapas são imprescindíveis e a evolução de cada um deve ser respeitada e estimulada adequadamente.

Depois disso e até cerca dos dois anos de idade começa a reconhecer algumas cores e formas. Sabe procurar e encontrar objetos que guardou. Gosta de brinquedos que possa empurrar, puxar, encaixar e explorar com os dedos. É uma verdadeira pesquisadora referenciada tentando descobrir como as coisas funcionam. Os pais podem achar que não é cuidadosa, que destrói brinquedos, mas na verdade ela os multiplica e o faz para compreender o funcionamento. Por isso, brinquedos caros nessa fase nem pensar. Sucata e brinquedinhos de plástico (com os devidos cuidados com peças pequenas) são ideais para atender a essa curiosidade.

Dos dois aos três anos a coordenação fina está mais segura e é, geralmente, nessa época que a lateralidade (destra ou canhota) normalmente se define.

SER EM COMUNICAÇÃO

O desenvolvimento da fala e da linguagem têm início no nascimento e evoluirá por toda a vida. Os diferentes choros são as primeiras interlocuções. Os pais nos primeiros dias de contato com o bebê, já conseguem distinguir os significados de dor, fome, incômodo ou manha em cada choro.

Então vêm os primeiros balbucios, aos três ou quatro meses. Aos cinco ou seis as primeiras palavras decorrentes dos balbucios “mãããmãmã“ “papapa”, “dadada” e as interações quando se volta para a direção de onde vem o som e já emite alguns ruídos com o intuito de chamar atenção. Gritinhos e gargalhadas tornam a rotina, muitas vezes exaustiva, num prazer inexplicável. Aos sete meses já atende e se volta, ao ser chamado pelo nome.

Por volta dos oito meses o pequeno começa a concentrar-se por um pequeno período de tempo, cinco ou dez minutos, ouvindo uma história e repetindo a seu modo tudo o que escuta, demonstrando aprovação. Gosta de reproduzir o que aprendeu com o telefone ao ouvido. 

De um ano a um ano e meio adora imitar sons e aumenta seu vocabulário, mas ainda não muito extenso. 

Após os dois anos a criança começa a descobrir o prazer em brincar com o outro. O egocentrismo começa a sair de cena e então começa o processo de socialização. Até os dois anos e meio a criança assimila centenas de palavras em pouco tempo. Já é capaz de construir frases simples completas e de verbalizar muitas palavras, mesmo que com erros fonéticos. Já anda por todo lado e é muito curiosa.

Compreende perfeitamente o significado da palavra “NÃO” e outras palavras de ordem. Reconhece e classifica formas, cores e espessuras.

Exagerem na cantoria, brinquem com palavras, músicas e poesias!

Dos dois anos e meio aos três anos, papais e mamães precisam ter bastante disponibilidade para responder a todos os questionamentos da criança: “Como?”, “Quando?” e o preferido “Por quê?”. Apesar da linguagem ainda estar em desenvolvimento, seu vocabulário já é bastante extenso. Consegue comunicar-se com perfeição. 

O aparelho neuropsicomotor amadurece aos poucos, no sentido céfalo-caudal, ou seja, da cabeça para os pés. Por isso, primeiro o bebê levanta sua cabeça, o tronco, senta-se para depois andar. Há uma hierarquia e um amadurecimento motor a ser completado antes de acontecer a etapa seguinte.  Sabemos que uma criança não irá andar aos dois meses de idade certo? 

Por isso é preciso curtir os pequenos e aproveitar cada fase sem ansiedade, evitando esperar resultados que ela ainda não está madura para tal.

Cada etapa é única e não volta mais. Então, se deliciem com o prazer de cada uma delas o que fará com que cresçam felizes e saudáveis física, emocional e cognitivamente!

Karen Kaufmann Sacchetto - Colunista do Guia do Bebê

Karen Kaufmann Sacchetto
Pedagoga
Especialista em Distúrbios de Aprendizagem
Mestre em Distúrbios do Desenvolvimento
Veja Perfil Completo.

Comentários

Keylynha

Bom dia Dr(a) minha filha tem tres aninhos e nunca pronunciou as palavras direito,é uma criança carinhosa e amavel,porém percebo que ela fica contragida quando não pronucia algo correto,isso é normal?Obrigada dez de já!!!

Karen Kaufmann Sacchetto

Olá Keylynha.
É difícil avaliar sem conhecer sua filha e sem a descrição de quais erros ela comete. Aos três anos ainda é comum omitir alguns fonemas, ou trocar o "r", por "l", como a fala do Cebolinha. Outras dislalias (dificuldades em articular sons da fala) podem necessitar de uma intervenção fonoaudiológica, como o ceceio por exemplo, que é quando a criança coloca a língua para a frente, entre os dentes ou lateralmente ao falar. Quando sua filha pronunciar alguma palavra errada, não a corrija, para que não se sinta constrangida. Devolva o padrão correto com a palavra inserida no contexto. Por exemplo:
Se ela disser que quer "macalão", você pode devolver as frases: "Hummmm vou fazer um macarrão delicioso para nós. Você vai comer todo o macarrão? Com que molho você quer o macarrão" etc. Abraços.

Marcelle

Ola! Minha bebe tem 7 meses e meio e ainda não atende sempre pelo nome. Tem vezes que chamo e ela atende, mas tem muitas vezes que chamamos e ela nem tchun. e eu sei que ela ouve bem. devo me preocupar já? ou só se isso persistir? com que idade isso é preocupante? obrigada!

Karen Kaufmann Sacchetto

Olá Marcelle,como vai? Com sete meses sua bebê deve balbuciar, emitir ruídos, voltar-se para sons mais fortes, mas certamente não há nada com que se preocupar ainda. Pela sua descrição não há nada que indique um desenvolvimento atípico. Quando você a chama pelo nome, ela atende pelo som e não por reconhecer que é seu nome ainda. Mas continue conversando e cantando para ela. São atividades lúdicas, deliciosas que farão com que ela desenvolva a linguagem tranquilamente. Abraços

Cristinamaki

Olá,Karen. Meu filho fará 04 anos logo, fala bastante, mas também gagueja bastante. Começou depois que tive meu segundo filho, será psicológico? Devo procurar uma fonaudiologa? Ah, ultimamente ele vem falando cada vez mais errado, qdo mais novo falava corretamente.

Karen Kaufmann Sacchetto

Olá,Cristina.
Há dois diferentes pontos em questão:

1 - Por volta dos 3 ou 4 anos é comum as crianças apresentarem o que se chama de gagueira funcional. As crianças aumentam rapidamente seu vocabulário e gaguejam ao buscar a palavra para se expressar e acabam gaguejando por ansiedade sua ou até dos adultos que querem que a criança termine logo seu pensamento. Procurem dar tempo para ele se expressar evitem a ansiedade e não completem as frases para ele. Se em seis meses não melhorar aí poderá ser o caso de uma avaliação fonoaudiológica. 2 - Com a chegada do irmão menor é comum as crianças regredirem e se expressarem como bebês, pois na verdade ele quer continuar sendo seu bebê. Dê um volo, aconchego e evite corrigir. Devolva apenas o padrão correto. Quando ele falar por exemplo "Eu quelo pilulito", vocês podem responder calmamente: "Você quer pirulito? Depois do jantar você poderá ter um".
São fases pelas quais as crianças passam e superam. Fique atenta. Se a persistência for excessiva, busque a avaliação fonológica.
Abraços

Fabrìcia

Olá Karen meu bebe fez 6 meses dia 11/12,mas desde os 5 meses ele já quer ficar sentado,mas ele não suporta o seu peso por isto ficar muito encurvado tem endireita-lo mas se deita de novo tem algum perigo pra coluna dele?obrigada

Karen Kaufmann Sacchetto

Olá Fabrícia, como vai? O desenvolvimento do bebê é céfalo-caudal, ou seja, acontece da cabeça para os pés. Aos poucos o bebê vai, por meio da mielina uma substância que auxilia nas conduções nervosas e maturação do sistema nervoso, firmando a cabeça, depois o tronco e depois os membros. Tudo na sua hora. Se seu bebê ainda está curvadinho, é porque a mielinização do tronco ainda não está completa. Logo mais ela estará e ele ficará sentado com maior firmeza. Não é recomendável forçar. Deixe-o sentado no bebê conforto inclinado. A medida em que ele for tendo sustentação você vai perceber pois levantará o tronco e mostrará como está firme. Abraços.

Pesquise aqui